MUSEUS DE GRANDES NOVIDADES

 

O senso comum associa o termo museu às coisas antigas, de épocas passadas. Todavia, nem sempre é assim. Embora o valor da história seja inegável para qualquer sociedade, muitos museus têm aberto suas portas para o que há de mais novo.

Alguns desses museus estão localizados na região que mais cresce na cidade do Rio de Janeiro e que conta com a cobertura do Jornal do Centro de Negócios da Cidade, nosso JCNC.

É praticamente impossível tocar no tema “museus dedicados à modernidade” e não falar no Museu do Amanhã. Inaugurado em 2015, o espaço é todo dedicado a assuntos atuais, futuros, modernos, ainda que dialogando com o passado em certos momentos.

De acordo com a diretoria do espaço, o Museu do Amanhã é um ambiente de ideias, explorações e perguntas sobre a época de grandes mudanças em que vivemos. “Estamos em uma nova era, em que o conjunto da atividade humana tornou-se uma força de alcance planetário. Habitamos um planeta que vem sendo profundamente modificado por nossas ações. Que amanhãs serão gerados a partir de nossas próprias escolhas? Por isso, Museu do Amanhã”, destaca um comunicado oficial.

Outro museu dedicado a questões mais atuais é o MAR (Museu de Arte do Rio), vizinho do Amanhã. O local, frequentemente, expõem obras contemporâneas, provocando reflexões sobre os dias que vivemos.

Bem próximo do MAR e do Museu do Amanhã está o Pier Mauá, local histórico da cidade, que nos últimos meses sediou a exposição “Jobs, o visionário”, sobre a vida e as criações de Steve Jobs. “Essa exposição sobre Steve Jobs é um museu para todos, desde crianças a adultos, porque você pode aprender sobre a visão de um gênio, como um homem mudou nossas vidas nos últimos anos”, disse o arquiteto italiano Ico Migliore.

Migliore é um entusiasta dos museus modernos. Ele ajudou a desenvolver projetos para o Museu Chopin, em Varsóvia, para o museu de Arte e História Contemporânea, em Seul, além do novo Museu Egípcio de Turim. Ele está à frente da exposição “Jobs, o visionário”, que seguirá por outros países. “Eu adoro essa região do MAR, do Museu do Amanhã. É cultural, moderna, cosmopolita. A cara do Rio de Janeiro”, conta Camila Borges, estudante de turismo.

Em uma cidade rica de cultura como é a do Rio de Janeiro, não faltam temas, terreno para espaços e público interessado. Seja para museus clássicos ou futuristas.